De acordo com Carlos Marques, que corrigiu a anterior informação prestada pelos bombeiros de que teria sido o telhado a desabar, uma das paredes do edifício caiu sobre a oficina da Congregação Cristã de Portugal, de onde foram retiradas duas pessoas que se “encontravam bem”.

"Fizemos o acesso até às vítimas e retirámo-las. Não foi necessário serem assistidas pois encontravam-se bem", afirmou o comandante.

Carlos Marques alertou que, "após avaliação da Proteção Civil Municipal, concluiu-se que o edifício se encontra em risco de ruir", razão pela qual foi feito "o corte de toda zona".

Acrescentou que será "notificado o proprietário para tomar as devidas precauções e fazer obras".

Confirmando que o "armazém não está em condições de continuar a laborar", Carlos Marques explicou que, no momento da derrocada da parede do antigo palacete, "os idosos encontravam-se na parte detrás do armazém, num refeitório", tendo tido sorte “por não ter acontecido algo pior".

A oficina pertence à Congregação Cristã de Portugal, local onde há muitos anos se constroem peças para a Igreja.

O alerta foi dado às 12:42 e pelas 14:45 permaneciam no local três viaturas e 12 homens dos Sapadores do Porto.

Contactada pela Lusa, Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto (CDOS) disse que o mau tempo tem provocado, sobretudo, a queda de árvores.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.