Fonte oficial da EDP disse à agência Lusa que a estação de produção de hidrogénio verde, um investimento de 15,5 milhões de euros, vai ter capacidade de eletrólise de cinco megawatts.

95% da produção vai ser injetada na rede de transporte de gás natural e os restantes usados para abastecer um posto de distribuição de hidrogénio para veículos pesados.

A empresa de energia admitiu, contudo, que o investimento “sofreu um ajustamento dos prazos inicialmente previstos devido ao atraso de cerca de um ano na decisão de alocação dos fundos Plano de Recuperação e Resiliência”.

Também “o lançamento do leilão de injeção, passo essencial para o financiamento e decisão de execução do projeto, está atrasado”, estando o projeto a ser avaliado.

Em 2020, a EDP, o Município de Alenquer, uma marca de veículos pesados e uma empresa de logística estabeleceram uma cooperação destinada a avaliar e testar o uso do hidrogénio como vetor energético no setor de transportes e logística e promover o papel do hidrogénio na descarbonização da economia.

“O projeto visa investigar a forma de flexibilizar a produção de energia em centrais de ciclo combinado, permitindo um funcionamento mais eficiente e a redução dos impactos ambientais”, refere o acordo, a que a agência Lusa teve acesso.

Segundo o documento, o projeto estuda também a utilização do hidrogénio produzido em diferentes utilizações, como a injeção na rede de gás existente, no setor dos transportes ou na indústria, centrando-se na produção do hidrogénio por eletrólise e no teste e sua utilização no setor dos transportes.

O projeto compreende três fases, a análise da sua viabilidade, a fase experimental e a fase comercial, defendendo os parceiros que para ser viável do ponto de vista comercial carece de financiamento.

Para os parceiros, “o desenvolvimento de uma cadeia de valor do hidrogénio é fundamental para que Portugal mantenha e aumente a quota de energias renováveis na procura total de energia a um custo razoável”.

Segundo eles, o hidrogénio “é uma das soluções mais promissoras” para setores difíceis de descarbonizar, como as indústrias a altas temperaturas, a aviação ou o transporte pesado.

O acordo estipulava um prazo de dois anos para produzir efeitos.

A Câmara Municipal de Alenquer, que cedeu terrenos para o projeto, confirmou à Lusa que o projeto aguarda pela definição do leilão de preço para a injeção na rede de gás natural e do fornecedor de veículos que possua os dados técnicos e possa fornecer os equipamentos a tempo.

Entre o trabalho já efetuado, consta os pedidos de consultas para o fornecimento do eletrolisador e para a empreitada e a realização de um estudo geotécnico para enquadrar o impacto ambiental. Estão a ser definidas questões práticas para vir a operacionalizar a estação de abastecimento de hidrogénio.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.