A decisão surge num contexto de maior controlo da antiga colónia britânica por Pequim e numa altura em que as autoridades locais estão em processo de transformar a RTHK num órgão próximo à imprensa oficial chinesa, que está sujeita a uma censura restrita.

Em nota enviada na terça-feira a todos os funcionários, e citada pela agência France Presse, a administração da RTHK especificou as novas instruções editoriais relativas a Taiwan, que Pequim reclama como seu território, apesar de funcionar como uma entidade política soberana.

O memorando especifica que os funcionários agora estão proibidos de usar expressões “inadequadas”, como “Presidente de Taiwan” ou “Governo de Taiwan”, no conteúdo transmitido por rádio, televisão ou Internet.

“Terminologia inadequada como ‘país’, ‘República da China’, ‘ROC’ (…) não pode ser usada em relação a Taiwan. Em nenhuma circunstância Taiwan pode ser apresentado ou percebido como um Estado soberano”, ditou o texto.

Esta diretriz foi emitida dias depois de um político de Hong Kong do campo pró Pequim acusar a RTHK de violar a lei quando se refere a Taiwan.

A RTHK recusou-se a comentar as razões para a emissão desta diretriz.

Muitos meios de comunicação internacionais têm regras editoriais internas que especificam que Taiwan não deve ser apresentado como um país, uma vez que a grande maioria das capitais não reconhece a ilha como tal.

No entanto, é incomum proibir os termos “República da China”, “presidente” ou “governo”.

Alguns meios de comunicação referem-se a Taiwan como um país porque a ilha é de fato soberana, com o seu próprio governo eleito, moeda, fronteiras ou exército.

Na imprensa estatal chinesa, o território é designado como a “província chinesa de Taiwan” e Tsai é referida como a “chamada governante”.

Hong Kong há muito que é considerada, devido à sua relativa autonomia face a Pequim, um bastião asiático da liberdade de imprensa e ainda abriga as sedes regionais dos principais meios de comunicação internacionais.

Mas o clima para a imprensa deteriorou-se consideravelmente com o reforço do controlo por Pequim, após protestos pró-democracia que abalaram a região, em 2019.

A principal associação de jornalistas de Hong Kong considera agora que a liberdade de imprensa em Hong Kong foi dizimada.

A RTHK é financiada publicamente, mas é editorialmente independente.

As autoridades começaram a reformar a emissora pública depois de esta ter sido acusada de cobertura excessivamente complacente dos protestos pró-democracia.

Pequim considera Taiwan uma província chinesa e defende a “reunificação pacífica”, mas tem ameaçado “usar a força” se a ilha declarar independência.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.