Segundo a autarquia de Alcochete, esta garantia foi dada na terça-feira, durante uma reunião entre os seis municípios da área 4 (Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal), a presidente do Conselho Metropolitano (órgão deliberativo da Área Metropolitana de Lisboa), os administradores da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) e os responsáveis pela empresa Alsa Todi.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Alcochete afirma que reiterou “todas as preocupações sentidas ao longo deste período que afetam diariamente a vida das pessoas, quer do ponto de vista profissional, quer do ponto de vista estudantil numa fase em que muitos alunos estão na fase conclusiva do seu ano letivo”.

No arranque da operação a autarquia tinha alertado para problemas diversos relacionados com os horários, insuficiente oferta face ao número de utilizadores e a inexistência de “postaletes” identificativos das carreiras nas paragens.

Por parte da Alsa Todi, adianta a autarquia, foram contextualizados os problemas, sobretudo ao nível dos recursos humanos, que têm vindo a prejudicar o serviço prestado aos utentes.

Para minimizar os constrangimentos, a empresa assumiu que, até ao final do mês, todas as carreiras vão praticar os anteriores horários da TST.

Na reunião, adianta a autarquia, foi igualmente garantido que a partir de quinta-feira vai existir um reforço nas carreiras entre Alcochete-Lisboa e vice-versa, nas primeiras horas da manhã e ao final da tarde.

A empresa assegurou também que a disponibilização e cumprimento dos horários na generalidade, assim como a colocação dos postaletes nas paragens estarão regularizados até ao final de junho.

“A câmara municipal vai continuar atenta ao funcionamento da Carris Metropolitana e ao cumprimento rigoroso do que foi, hoje, assumido pela Alsa Todi. Continuaremos empenhados em encontrar as melhores soluções para a mobilidade e para a vida dos nossos munícipes”, refere a autarquia.

A Carris Metropolitana, a nova insígnia de transportes para a Área Metropolitana de Lisboa, arrancou a 01 de junho em Alcochete, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal, mas têm-se registado várias queixas.

Foram criadas quatro zonas de operação, duas envolvendo municípios da margem norte e outras duas na margem sul do Tejo.

A ‘área 1’ inclui Amadora, Cascais, Lisboa, Oeiras e Sintra, a ‘área 2’ Loures, Mafra, Odivelas e Vila Franca de Xira, a ‘área 3’ Almada, Seixal e Sesimbra e a ‘área 4’ Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal.

Em Lisboa, Barreiro e Cascais a operação continua a ser realizada por operadores internos, Carris, TCB e Mobi Cascais, respetivamente.

Em Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal o serviço é assegurado pela empresa Alsa Todi, tendo 111 linhas.

Com a Carris Metropolitana, a oferta de transporte público no município de Alcochete aumenta em 10%, segundo a autarquia, passando o concelho a contar com 19 linhas (carreiras).

A operação que começou pela ‘área 4’ será alargada às restantes e áreas dentro de um mês, em 01 de julho.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.