Cerca de 8.000 imigrantes conseguiram entrar em Ceuta desde segunda-feira, incluindo cerca de 1.500 menores.

Juntamente com os que são obrigados a regressar, acumulam-se ainda na fronteira várias dezenas de jovens que entraram ilegalmente nos últimos dias e que desejam regressar voluntariamente ao seu país, por não terem onde dormir ou comer em Ceuta, segundo fontes militares que os recebem na fronteira.

A agência EFE noticiou hoje que a polícia marroquina já encerrou a passagem de fronteira de Tarajal, interrompendo o êxodo migratório que nos últimos dois dias permitiu a entrada de milhares de 8.000 migrantes ilegais em Ceuta.

Ceuta e Melilla, as únicas fronteiras terrestres da União Europeia com África, são regularmente palco de tentativas de entrada de migrantes, mas a maré humana de segunda-feira não tem precedentes.

A origem desta última crise entre Espanha e Marrocos está relacionada com a permanência em Madrid do secretário-geral da Frente Polisário, Brahim Ghali, por motivos de saúde.

A Frente Polisário, considerada como um grupo terrorista por Rabat, reivindica o direito à autodeterminação no Saara Ocidental, território que foi colónia espanhola e posteriormente ocupado pelo Marrocos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.