Chamado "consenso ibero-americano", publicado a 25 de junho na revista Nutrients, o artigo é assinado por 67 especialistas em áreas que vão da nutrição à toxicologia, de 43 organizações e universidades, incluindo as universidades portuguesas de Coimbra, Porto, Lusófona, Hospital de Santa Maria, Politécnico de Bragança e Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

As conclusões saíram de um encontro internacional realizado o ano passado em Lisboa, em que os especialistas confirmaram a segurança deste tipo de adoçantes, que podem ser usados em "programas de controlo da diabetes e contribuir para um melhor controlo glicémico nos doentes, embora com resultados modestos", lê-se nas conclusões do artigo, que foi hoje divulgado.

"Alimentos e bebidas com adoçantes com poucas ou sem calorias poderiam ser incluídos nas linhas orientadoras das opções alternativas aos produtos com açúcares simples", acrescentam.

O pediatra Sérgio Velho de Sousa, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, ressalvou que os açúcares nos alimentos têm "outras funções para além da adição do sabor doce" e que nem sempre se pode "eliminá-los ou substituí-los totalmente sem afetar a sua qualidade e estabilidade".

O investigador defende "um diálogo com os fabricantes de alimentos e bebidas" pela necessidade de reduzir "o consumo de açúcares adicionados" ou até substituí-los total ou parcialmente "pelos adoçantes sem ou de baixas calorias".

O tamanho das porções também deveria ser reduzido, defendeu.

Os especialistas que subscrevem o consenso defendem ainda que os consumidores devem ter "acesso fácil a informação rigorosa e de qualidade, transparente e de fácil compreensão" para este e outros aspetos da nutrição.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.