“Os soldados do califado detonaram um engenho explosivo numa concentração de crentes (…) na cidade de Marawi”, afirmou o grupo ‘jihadista’ num comunicado publicado da rede Telegram.

A explosão ocorreu durante uma missa no ginásio da Universidade Estatal de Mindanau, em Marawi, a maior cidade muçulmana do país, declarou o chefe da polícia regional, Allan Nobleza.

Um outro oficial da polícia, Emmanuel Peralta, indicou que quatro pessoas morreram e cerca de 50 ficaram feridas no rebentamento de um engenho explosivo artesanal.

Em comunicado, o Presidente filipino, Ferdinand Marcos, condenou os atos “insensatos e particularmente hediondos perpetrados por terroristas estrangeiros”.

O Papa Francisco afirmou estar “próximo das famílias, dos habitantes de Mindanau, que já sofreram tanto”.

Em 2017, Marawi foi palco de um confronto sangrento, depois de grupos fundamentalistas alinhados com o Estado Islâmico (EI) terem tomado parcialmente a cidade, onde entraram com bandeiras do EI.

Durante cinco meses, o exército filipino combateu os extremistas até a cidade ser libertada, numa batalha que fez mais de 1.200 mortos – 978 fundamentalistas islâmicos, 168 soldados e 87 civis.

A ilha de Mindanau, onde cerca de 20% da população é muçulmana, tem sido palco de décadas de conflito entre o Governo e vários grupos extremistas, incluindo a organização Abu Sayaf e o Grupo Maúte, ambos associados ao EI.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.