A subsidiária norte-americana do grupo é acusada de ter fornecido informações falsas e enganosas na época de emissões de títulos, segundo um comunicado daquela entidade.

De 2015 a 2019, a BMW falsificou os números de vendas, de acordo com a nota. O grupo alemão também divulgou vendas de veículos fictícios e ajustou as vendas realizadas em 2015 e 2017.

“As empresas que usam os mercados dos EUA para aumentos de capital têm a obrigação de fornecer aos investidores informações confiáveis”, pode ler-se no documento.

“Por meio da disseminação repetida de informações fraudulentas, a BMW enganou os investidores sobre as suas vendas (…) nos Estados Unidos e sobre a procura dos clientes de veículos BMW no mercado americano, enquanto levantava capital nos Estados Unidos”, acrescenta-se no comunicado.

A BMW disse que estava “satisfeita” por resolver o caso e observou num comunicado enviado à agência de notícias France-Presse (AFP) que foi saudada a sua cooperação na investigação.

“Grande parte dos factos apontados (…) aconteceu há mais de três anos” e “não há nenhuma alegação ou conclusão de conduta dolosa da BMW”, disse o grupo alemão.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.