“Há um sentimento real de urgência mas o que é realmente importante é que as pessoas estão a tomar atenção”, comentou o diretor executivo desta associação, cuja missão é proteger as liberdades individuais dos cidadãos e que tem sido um dos principais rostos da contestação às medidas tomadas e anunciadas pelo novo Presidente norte-americano.

Só nos dois dias a seguir à proibição de entrada no país por parte de cidadãos de sete países predominantemente muçulmanos a UCLA recebeu 24 milhões de dólares em doações dos membros que agora duplicaram o número para cerca de 1,2 milhões.

Quando Trump foi eleito, o ‘site’ e a revista da União apresentaram um novo slogan: “See you in court” (vemo-nos no tribunal), uma expressão cada vez mais popular, e que revela a judicialização das relações sociais nos Estados Unidos.

A mesma expressão foi usada pelo Presidente quando reagiu à suspensão da sua decisão de proibir a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos, alegando razões de segurança interna.

A batalha legal que está a ser preparada pela UCLA passa pela entrega de petições e requerimentos legais para ter acesso aos documentos que mostrem um eventual conflito de interesses e também já deu entrada num tribunal um processo contra a aceitação de pagamentos por parte de governos estrangeiros em hotéis e outras propriedades detidas pelo grupo económico liderado por Donald Trump.

O aumento do orçamento da UCLA para 220 milhões de dólares vai permitir que esta associação com 1.150 empregados possa contratar mais advogados e pessoal em Nova Iorque e em Washington, apostando na abordagem aos cidadãos em ações de protesto e de ‘lobbying’ (grupos de pressão), explicou o diretor executivo à AP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.