Vasco Leal Cardoso disse à Lusa que “obviamente” vai recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa.

Luís Ribeiro e a namorada ganharam, em 2007, o primeiro prémio do Euromilhões, mas não se entenderam quanto à repartição do dinheiro, tendo o caso ido parar a tribunal.

Enquanto isso, o dinheiro ficou congelado, por ordem judicial, tendo sido depositado na Caixa de Crédito Agrícola.

Neste processo, Luís Ribeiro queixa-se que a Caixa de Crédito Agrícola lhe prometeu uma taxa de juro de 4,3% mas que entretanto este valor foi descendo “a pique”. Isto, alega, sem que tivesse sido contactado pelo banco para dar conta dessa descida.

Em 2015, depois de concluído o processo judicial que decidiu que o casal deveria dividir o dinheiro “a meias”, Luís Ribeiro foi levantar a sua parte para mudar de banco, tendo recebido 500 mil euros de juros.

Considera que, tendo em conta a taxa de juro inicial, deveria ter recebido perto de 2,6 milhões, pelo que quer ser ressarcido dessa diferença.

Na primeira instância, no Tribunal Cível de Lisboa, a ação foi julgada improcedente.

“O tribunal considera que os comportamentos do banco foram os adequados, mas nós, obviamente, vamos recorrer, porque consideramos que houve comportamentos inqualificáveis”, referiu Vasco Leal Cardoso.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.