A informação foi avançada aos meios de comunicação social europeus por fonte oficial da presidência checa do Conselho da UE, que indicou que “os embaixadores [dos Estados-membros] acabam de chegar a um acordo político sobre novas sanções contra a Rússia”.

Vincando que esta é “uma forte resposta da UE à anexação ilegal de Putin de territórios ucranianos”, a mesma fonte adiantou que o texto será agora finalizado para o procedimento escrito estar concluído na quinta-feira de manhã, prevendo-se publicação no Jornal Oficial da União Europeia nesse dia.

“Em seguida, as sanções entrarão em vigor”, concluiu.

Na passada quarta-feira, a Comissão Europeia propôs um oitavo pacote de sanções à Rússia, face à “nova escalada” do Kremlin na sua agressão à Ucrânia, com a realização de “referendos fraudulentos”, mobilização parcial e a ameaça de recurso a armas nucleares.

O novo pacote de sanções da União Europeia inclui um teto ao preço do petróleo russo, novas restrições ao comércio para privar a Rússia de cerca de sete mil milhões de euros de receitas, uma proibição de exportações de mais produtos para privar o Kremlin de tecnologias-chave para a máquina de guerra russa e uma atualização da lista de indivíduos e entidades alvo de medidas restritivas.

Em concreto, a UE acrescentou à lista de sanções individuais os responsáveis pró-russos nas regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, ocupadas pela Rússia.

Bruxelas propôs também a proibição de prestação de serviços europeus à Rússia e a proibição de cidadãos da UE terem assento em órgãos de direção de empresas estatais russas, argumentando que “a Rússia não deve beneficiar do conhecimento e da perícia" dos europeus.

Este é o oitavo pacote de sanções aprovado pela UE desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, há sensivelmente sete meses.
Reagindo hoje à aprovação pelos embaixadores dos Estados-membros, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, saudou a ‘luz verde’, vincando que a UE “avançou de forma rápida e decisiva”.

“Nunca aceitaremos os referendos fraudulentos de Putin nem qualquer tipo de anexação na Ucrânia. Estamos determinados a continuar a fazer com que o Kremlin [regime russo] pague”, adiantou Ursula von der Leyen.

Hoje, o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, promulgou a anexação à Rússia das regiões ucranianas de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, de acordo com dois decretos publicados no portal oficial russo de informações jurídicas.

No início desta semana, os tratados de anexação dos quatro territórios à Rússia também receberam aprovação das duas câmaras do Parlamento russo.

A ofensiva militar lançada em 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,5 milhões para os países europeus –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia — foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.114 civis mortos e 9.132 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.