Morales, que assistiu à posse de Jair Bolsonaro como 38.º Presidente do Brasil, considerou o líder de extrema-direita como “irmão” e manifestou no Twitter a sua “convicção de que as relações entre a Bolívia e o Brasil têm raízes profundas de laços de irmandade e complementaridade” dos dois povos.

“Somos parceiros estratégicos que têm em vista o mesmo horizonte da Pátria Grande”, afirmou Morales.

O Presidente da Bolívia foi o único dos chefes de Estados do chamado eixo bolivariano (esquerda) a assistir à tomada de posse de Bolsonaro, o capitão na reserva do Exército que foi eleito em outubro com 56% dos votos.

O novo Presidente brasileiro retirou os convites que haviam sido feitos ao chefe de Estado venezuelano, Nicolás Maduro, e de Cuba, Miguel Díaz-Canel, por considerar que os seus “regimes violam a liberdade dos seus povos”.

Para Bolsonaro, Venezuela e Cuba estão “abertamente contra o futuro Governo do Brasil por afinidade ideológica com o grupo derrotado nas eleições”, referindo-se ao Partido dos Trabalhadores (PT), do ex-Presidente Luíz Inácio Lula da Silva, que está detido a cumprir uma pena de mais de 12 anos de cadeia por corrupção.

Jair Bolsonaro tomou hoje posse como 38.º Presidente do Brasil, numa cerimónia a que assistem os Presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, este na qualidade de presidente em exercício da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O novo secretário-executivo da CPLP, o português Francisco Ribeiro Telles, que inicia hoje funções, também está presente na cerimónia.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.