“A Lei de Bases não vai ser o alfa e o ómega para a resolução dos problemas do Serviço Nacional de Saúde (SNS). O problema maior hoje é a falta de investimento em infraestruturas e equipamentos e também no edifício das profissões”, afirmou Adalberto Campos Fernandes, que deixou o Governo há cerca de dois meses.

O antigo ministro falava num debate promovido pelo PS sobre a nova Lei de Bases de Saúde, que contou com a participação da nova ministra e sua sucessora, Marta Temido.

Sobre a nova Lei de Bases, Campos Fernandes entende que “todos no PS estão de acordo” sobre a necessidade de ter um novo documento, que substitua o atual, que tem 28 anos.

“O PS é o partido criador do SNS e tem obrigação de ter uma proposta de lei que seja sua e isso não significa que não deva não ser discutido com outras pessoas que não são do PS”, acrescentou o ex-ministro.

Outra antiga ministra da Saúde socialista, a médica Ana Jorge, avisou que é preciso que a população perceba que “está em risco de perder o serviço público de saúde”.

“Que a Lei de Bases seja suficientemente forte, mas sem esquecer os princípios básicos que permitam que o SNS seja para todos e com qualidade”, defendeu Ana Jorge.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.