As mais de duas mil toneladas de nitrato de amónio que se encontravam num armazém em Beirute, e que provocaram as duas explosões, destinavam-se à Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM), que é propriedade da empresa portuguesa Moura & Silva, da Póvoa de Lanhoso.

A notícia é avançada pelo jornal 'Público', que ouviu o porta-voz da empresa.

"Esta foi uma encomenda normal, de uma matéria que a empresa utiliza na sua atividade comercial, cumprindo sempre de forma escrupulosa todos os requisitos legais e melhores práticas internacionais", assegurou.

O porta-voz da empresa explica, no entanto, que aquela carga ainda não era da empresa. Apenas foi feita a encomenda, que seria paga quando chegasse ao seu destino, a cidade da Beira, no Norte de Moçambique.

A empresa não adiantou à publicação qual a utilidade da carga deste produto, que tanto pode ser utilizado como fertilizante, como para criar explosivos.

À agência Lusa, a FEM disse que "não tem qualquer relação com armadores ou transitários, dado que a sua relação com os fornecedores se cinge às encomendas que faz. Aliás, é esse o caso com todos os importadores, seja de frigoríficos, automóveis, tratores ou ar condicionados", acrescentou a mesma fonte, sublinhando que a empresa "não tem qualquer atividade como transitário ou armador" e é "uma mera utilizadora".

Perante a retenção do navio em Beirute, a Savaro acabou por enviar uma nova carga de nitrato de amónio, através de outro navio. Entretanto, a FEM abandonou aquele fornecedor, devido ao "incumprimento" de prazos de entrega.

créditos: EPA/TONY VRAILAS

Encomenda atribulada 

Em 2013, o navio “Rhosus”, com bandeira da Moldávia e proveniente da Geórgia, fez uma escala em Beirute, a caminho de Moçambique, de acordo com uma fonte de segurança libanesa.

A bordo tinha 2.750 toneladas de nitrato de amónio, que pode ser usado na composição de certos explosivos para uso civil, mas também pode ser usado como fertilizante.

Segundo vários meios de comunicação, incluindo o New York Times, Irgor Gretchouchkine tinha alugado o navio, forçado a atracar em Beirute.

Segundo o portal Marine Traffic, chegou a 20 de novembro de 2013 e nunca mais saiu, devido a problemas técnicos.

De acordo com as fontes de segurança libanesas, enquanto o “Rhosus” estava em trânsito em Beirute, uma empresa libanesa teria apresentado uma reclamação contra a companhia à qual a navio pertence, pressionando a justiça local para apreender o “Rhosus”.

A carga foi colocada num armazém e o navio, danificado, acabou por se afundar.

[Notícia atualizada às 08h25 de 9 de agosto]

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.