Em comunicado enviado à Lusa, a Câmara Municipal de Famalicão salienta que o evento conta este ano com mais uma dezena de novos artesãos do que em 2017, sendo que a arte dos cerca de 100 artistas vai desde a bijuteria à malha, bem como da cerâmica, do vidro, da tecelagem, do gesso e dos bordados, entre outras.

Segundo refere o presidente do município, Paulo Cunha, esta é “a maior Feira de Artesanato e Gastronomia do Minho, tendo um cartaz turístico-cultural de referência nacional".

Paulo Cunha refere que a feira tem conquistado "qualidade e prestígio de ano para ano" e que esse aumento de prestígio é, "em grande parte, fruto de uma forte aposta da autarquia na organização e promoção do evento, que tem levado a uma natural seleção do melhor e mais autêntico artesanato nacional, a par dos mais genuínos sabores da nossa gastronomia".

Prova do "sucesso e importância" do certame são as suas 35 edições: "35 anos de crescimento, consolidação e elevação da qualidade", sublinha o autarca.

A autarquia salienta ainda que alguns dos artesãos vão "trabalhar ao vivo", lado a lado, com "representantes das várias regiões do país”.

Pelo antigo campo da feira semanal, onde vai decorrer o evento, "há ainda espaço para os produtores que trazem consigo os vinhos, queijos, presuntos e doces mais puros oriundos de todo o país".

A feira contará com um programa musical, destacando-se a música tradicional, “com o folclore, as concertinas, os cavaquinhos e os cantares ao desafio, mas também rap, fado, jazz, e pop rock".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.