O estudo dos cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, foi publicado na revista da Academia Nacional das Ciências norte-americana.

O "laboratório num 'chip'" pode permitir diagnósticos médicos mais rápidos e mais baratos, beneficiando sobretudo países em desenvolvimento, onde poderão ser descobertos precocemente casos de cancro, malária, tuberculose ou VIH, cuja mortalidade é superior do que em países desenvolvidos.

Segundo o bioquímico e geneticista Ron Davis, este método poderá significar "uma revolução no diagnóstico médico" semelhante à que significou a descoberta da sequência do genoma humano.

O sistema usa microfluidos, eletrónica e impressão a jato: parte-se de um recipiente de silicone que pode conter células e de uma faixa eletrónica reutilizável.

Depois, a impressora de jato de tinta é utilizada para imprimir a faixa eletrónica numa lâmina de poliéster com uma tinta especial com nanopartículas.

"Desenhámo-lo para não ser preciso ter instalações esterilizadas e pessoal treinado para o fabricar: Cada 'chip' pode ser fabricado em 20 minutos", afirmou Rahim Esfandyarpour, o principal redator do estudo.

O “laboratório” pode ser usado para analisar tipos de células diferentes sem serem precisas etiquetas magnéticas ou fluorescentes normalmente usadas para as controlar.

É o próprio 'chip' que separa as células diferentes, tornando o processo mais preciso e rápido.

Casos de cancro poderão ser identificados detetando células que circulam na corrente sanguínea, por exemplo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.