“À medida que as pessoas lutam para encontrar comida, sabemos que as crianças correm um risco particular de serem forçados a abandonar a escola e trabalhar abusivamente”, disse David Munkley, num comunicado.

Por outro lado, “as meninas podem ter de casar-se ainda crianças ou forçadas a trocar sexo para ajudar as suas famílias a sobreviver”.

A direção da Visão Mundial disse estar “especialmente preocupada” com as mais de 60 mil pessoas, das quais metade crianças, que , seis meses depois, ainda moram em 50 locais de reassentamento e que não regressaram às suas casa.

A organização alerta ainda que o cenário pode agravar-se com o aumento do número de pessoas com fome, de 1,6 a 1,9 milhões de pessoas, até que chegue a próxima época agrícola.

“À medida que as pessoas ficam com mais fome e lutam para sobreviver, são as crianças que precisam de ajudar as famílias a colmatar a falta, recorrendo a todo o tipo de estratégias de sobrevivência perigosas”, disse.

O comunicado fala de um “grande esforço humanitário” que ajudou a alimentar, reeducar e impedir um surto de cólera, mas ainda assim, o país continua a lutar para se recuperar das intempéries.

“Os socorristas e o Governo fizeram um trabalho incrível mantendo as pessoas vivas, ajudaram a proteger as crianças e levar milhares de volta à escola. Mas os ciclones destruíram as colheitas, casas e meios de subsistência de centenas de milhares dos mais pobres de um país que já possui altas taxas de pobreza”, lê-se.

A Visão Mundial está a trabalhar em programas infantis para providenciar a educação, atividades de proteção à criança e assistência e ajuda alimentar.

O ciclone Idai, que atingiu o centro de Moçambique em março, provocou 604 mortos e afetou cerca de 1,5 milhões de pessoas.

A intempérie provocou cheias intensas que arrastaram aldeias, pontes, estradas e outras infraestruturas, criando lagos gigantescos que levaram semanas a desaparecer.

O ciclone Kenneth, que se abateu sobre o norte do país em abril, matou 45 pessoas e afetou 250.000.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.