Os dados sobre o registo de covid-19 nas Forças Armadas foram avançados pelo ministro João Gomes Cravinho numa audição presencial na comissão parlamentar de Defesa, a requerimento do PS, para esclarecimentos sobre o papel e meios dos militares no combate à pandemia de covid-19.

Questionado pelo BE, mais à frente na audição, o governante precisou que dos 57 infetados, 18 pertencem à Força Aérea, 33 ao Exército e cinco à Marinha, sendo que há um civil infetado, no Estado-Maior-General das Forças Armadas.

De acordo com o governante, as Forças Armadas reduziram a sua atividade ao essencial e não se registam casos de infeção nas Forças Nacionais Destacadas, que “estão bem” e com medidas de proteção face à pandemia.

Depois do regresso dos militares que estavam destacados no Iraque, e do Navio Escola Sagres, que está a caminho de Lisboa, o governo mandou regressar alguns militares destacados no estrangeiro em programas de cooperação e está a avaliar esses programas “face à realidade”.

João Gomes Cravinho adiantou que foram destacados cinco oficiais para acompanhar os cinco secretários de Estado que vão coordenar a execução aos níveis local e regional das medidas de combate à pandemia da covid-19.

Detalhando os apoios já anteriormente anunciados, João Gomes Cravinho frisou que o laboratório militar reorganizou-se para se concentrar na produção de gel desinfetante, quase triplicando a produção o que, disse, “cobre totalmente as necessidades” do Serviço Nacional de Saúde, com 2700 litros por dia.

Por outro lado, o Exército, através da unidade de bioquímica, trabalha em contínuo para o processamento de testes à covid-19 e, na área do apoio sanitário, o ministro estima que o centro de apoio militar, no antigo hospital de Belém, esteja disponível a partir do dia 13, com capacidade para 120 a 150 camas.

Transporte terrestre de material de proteção, evacuação de lares de idosos, fornecimento de 64 tendas e 2800 camas foram outros dos apoios das Forças Armadas, disse o ministro da Defesa, enaltecendo a “notável capacidade de adaptação” das estruturas militares na resposta à pandemia de covid-19.

Em Portugal, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.