O GCCC, integrado na Procuradoria-Geral da República de Moçambique, está a interrogar os principais suspeitos de envolvimento no caso e poderá deduzir acusação definitiva nos próximos dias, adianta o jornal.

Entre os suspeitos encontram-se atuais e antigos gestores da instituição.

O dinheiro desviado era parte de um montante de 48,7 milhões de meticais de receitas (710,3 mil euros) cobradas pelos serviços em março de 2017.

O desvio da verba foi detetada quando o Serviço Nacional de Migração se preparava para enviar a receita para o tesouro do Estado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.