De acordo com o jornal Hurryette o governo turco aprovou na quarta-feira à noite um projeto lei para regular as licenças de emissão através da internet e que requerem a autorização de segurança do Departamento Nacional de Informações e da polícia.

“Já quase não restam meios que permitam à oposição difundir mensagens. A internet é um dos meios onde se podem ouvir as vozes da oposição”, disse hoje à agência EFE Ismet Demirdogen, membro do Partido Popular Republicano.

“Com este projeto lei eliminam-se as liberdades por razões de segurança e silencia-se a oposição”, lamentou.

Demirdogen disse também que a medida foi aprovada no mesmo dia em que o grupo turco Demiroren, próximo do governo, comprou a companhia Dogan, composta pelos meios de comunicação social mais críticos em relação ao presidente Erdogan.

Entre os títulos vendidos contam-se o jornal Hurriyet, a cadeia de televisão CNNTurk e as edições turcas das revistas Elle e Burda.

A nova lei vai permitir ao Conselho Superior de Rádio e de Televisão revogar as licenças de transmissão que não cumpram certos critérios.

As redes sociais que publicam notícias vão também ficar sujeitas à mesma regulação, incluindo as páginas de partidos ou líderes políticos na internet.

“Queremos tomar precauções e regular as emissões de televisão e de rádio caso cometam ações contra a segurança nacional e contra os valores morais do país”, assinalou Ahmet Arslan, ministro dos Transportes, responsável também pela comunicação social.

Na lista dos Repórteres Sem Fronteiras, a Turquia ocupa o lugar 155 no grupo de 180 países que não respeitam a liberdade de imprensa.

Mais de uma centena de jornalistas encontram-se presos na Turquia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.