A greve, que começou no sábado às 00:00 e termina hoje às 24:00, registou “apenas uma menor adesão” na prisão de Ponta Delgada, disse à Lusa o presidente do sindicato, Jorge Alves.

Os guardas prisionais marcaram esta greve de quatro dias para exigir a revisão do estatuto profissional e a progressão na carreira, além de contestarem o novo horário de trabalho.

Jorge Alves adiantou que o sindicato vai realizar uma vigília, entre das 18:00 de quinta-feira e as 10:00 de sexta-feira, junto à Presidência da República, para pedir a intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa na revisão do estatuto profissional.

O universo de guardas prisionais ronda os 4.350 para uma população prisional perto dos 13.000 reclusos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.