O presidente do sindicato, Jorge Alves, explicou aos jornalistas que após a vigília de janeiro realizada junto à residência do primeiro-ministro “lamentavelmente nada mudou” e que “o Ministério da Justiça continua com a mesma posição de não mudar nada em relação aos guardas prisionais”.

“Hoje vai seguir um novo pré-aviso de greve para o último fim de semana de julho e para o primeiro de agosto e outras formas de luta virão para manifestarmos, junto do ministério e do primeiro-ministro, que o governo não está a praticar equidade com outras forças de segurança e serviços”, disse Jorge Alves.

O sindicato exige a aplicação da pré-aposentação de acordo com o praticado na PSP, a atualização da tabela remuneratória, a promoção a guarda prisional e ocupação dos lugares existentes nas categorias, uma regulamentação do horário de trabalho e um subsídio de turno e o aumento dos quadros de efetivos.

O primeiro período de greve iniciou-se hoje e termina no sábado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.