“Vai ser aberto um procedimento disciplinar interno e, caso se confirmem os factos, o guarda será demitido”, disse Celso Manata à Lusa.

O responsável reafirmou “tolerância zero” para tráfico de estupefacientes ou de telemóveis no interior dos estabelecimentos prisionais, assim como para maus-tratos a reclusos.

Um guarda do Estabelecimento Prisional do Porto foi detido hoje de madrugada, quando prestava serviço numa das torres de vigia, com 56 gramas de haxixe e nove telemóveis, informou a Direção–Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

A operação foi conduzida pelos Serviços de Vigilância do Estabelecimento Prisional do Porto, em articulação com a PSP, tendo a droga e os telemóveis sido apreendidos.

Além do procedimento disciplinar interno, o guarda incorre ainda em procedimentos criminais e judiciais, a cargo dos tribunais.

Segundo a DGRSP, a detenção e apreensão de droga e de telemóveis foi o culminar de um “esforço acrescido ao trabalho quotidiano de controlo à entrada e circulação de bens e produtos ilícitos em contexto prisional”.

Os elementos do corpo da guarda prisional envolvidos nesta operação serão “objeto de louvor”.

“Não posso deixar de manifestar o meu contentamento por terem sido outros guardas a levar a efeito esta operação, evitando assim que uma pequena minoria suje o nome da classe e das instituições”, referiu Celso Manata.

Para o diretor-geral, o surgimento, nos últimos tempos, de outros casos idênticos não significa que o fenómeno esteja a aumentar, antes é reflexo de uma maior eficácia por parte da inspeção.

“Instituímos tolerância zero para estes fenómenos, há uma maior eficácia por parte da inspeção, estamos a investigar melhor e, por isso, temos mais resultados”, rematou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.