Numa conferência de imprensa em Tóquio, António Guterres sublinhou que “qualquer ataque a centrais nucleares é algo suicida”.

“Espero que esses ataques acabem. Ao mesmo tempo, espero que a AIEA consiga aceder à central” de Zaporijia, acrescentou.

As autoridades ucranianas acusaram, na sexta-feira, as forças russas de realizar três ataques perto de um reator de Zaporijia, embora Moscovo controle este território desde o início da ofensiva.

Por sua vez, o exército russo afirmou que as forças ucranianas estão na origem desses ataques, que provocaram um incêndio que foi extinto.

Um dos reatores da central nuclear foi fechado, anunciou a empresa de energia atómica ucraniana no sábado, após os ataques.

Kiev garante que o exército russo armazena armas pesadas e munições no interior do complexo nuclear.

A AIEA considerou, no sábado, “cada vez mais alarmantes” as informações sobre a central de Zaporijia.

Também no sábado, Guterres tinha dito em Hiroshima que a humanidade está “a brincar com uma arma carregada” nas atuais crises nucleares, num discurso no 77.º aniversário do bombardeamento atómico dos EUA no Japão.

Hoje, Guterres referiu-se ainda à tensão em torno de Taiwan, onde o exército chinês acaba de realizar exercícios militares, considerando que era “uma questão sensível” e pedindo “contenção” e “redução da escalada”.

“É extremamente importante nos próximos dias”, disse o líder da ONU.

A China lançou as manobras depois de uma visita na semana passada à ilha da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.