O desenho, segundo os arqueólogos, foi feito há 73 mil anos, pelo menos 30 mil anos antes dos demais desenhos abstratos previamente identificados na África, Europa e Sudeste Asiático.

Foi encontrado por cientistas dentro da Caverna Blombos, um local arqueológico localizado cerca de 300 quilómetros ao leste da Cidade do Cabo, um local que contém evidências de alguns dos primeiros elementos do que os humanos hoje chamariam de cultura.

Expedições anteriores à caverna levaram à descoberta de contas de conchas, peças gravadas de ocre e ferramentas fabricadas a partir de uma substância rudimentar semelhante a um cimento.

Entre os artefactos havia um pequeno floco de rocha de silicato, sobre o qual um padrão de linhas cruzadas de três por seis foi intencionalmente desenhado em vermelho ocre.

"As nossas análises microscópicas e químicas do padrão confirmam que o pigmento vermelho ocre foi intencionalmente aplicado ao floco com um lápis ocre", escreveu a equipa num estudo publicado na passada quarta-feira na revista Nature.

Eles disseram que o padrão que aparece no fragmento originalmente pode ter ocupado uma área maior e ter sido "mais complexo na sua totalidade".

Embora existam gravuras rupestres bem mais antigas, incluindo uma em Java com pelo menos meio milhão de anos, a equipa de investigadores disse que a 'hashtag' da Caverna Blombos é o mais antigo desenho conhecido.

"Isso reforça a ideia de que o desenho era algo que existia nas mentes dos caçadores-coletores", disse à AFP Francesco d'Errico, diretor do Centro Nacional de Investigação Científica da Universidade de Bordeaux.

Embora desenhos como o descoberto na África do Sul sem dúvida tinham um "significado simbólico", d'Errico diz que os primeiros humanos "provavelmente não os consideravam como arte".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.