Hugo Silva, comandante da corporação de Vila Pouca de Aguiar, disse à agência Lusa que, pelas 20:00, o fogo tinha uma frente ativa que estava a lavrar com intensidade e que os meios estavam a ser concentrados para combater as chamas que queimam uma zona de mato e pinhal na serra do Minhéu.

O responsável referiu ainda não haver, “neste momento, habitações em perigo”.

Segundo disse à agência Lusa fonte da Proteção Civil municipal de Vila Pouca de Aguiar, durante a tarde foram retirada de cerca de 10 pessoas, idosos e uma criança, de quatro casas, na aldeia de Soutelo de Matos, mas apenas por uma questão de precaução, tendo já regressado às habitações.

Um bombeiro da corporação de Vila Pouca de Aguiar foi também assistido por inalação de fumo.

Com o início da noite os meios aéreos foram desativados e, no no terreno, segundo a página da Internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), estavam 156 operacionais e 47 viaturas.

Durante a tarde o fogo chegou a ter duas frentes ativas e a mobilizar sete meios aéreos.

O fogo teve início pelas 23:25 de domingo, numa zona de mato da localidade de Soutelo de Matos, freguesia de Pensalvos e Parada de Monteiros, e pelas 01:00 entrou em fase de resolução, tendo-se verificado uma reativação às 15:30 de hoje.

[Notícia atualizada às 20:30]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.