“Estamos a fazer descargas de água para fazer o arrefecimento e os operacionais estão no terreno a fazer trabalho com ferramentas manuais”, afirmou à agência Lusa o comandante operacional distrital de Vila Real (CODIS), Álvaro Ribeiro.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), pelas 15:30 estavam mobilizados para o local 156 operacionais, 42 viaturas e cinco meios aéreos.

O incêndio lavrou numa zona de declive acentuado e de povoamento florestal na serra da Padrela, com pinhal, castanheiros e sobreiros.

Álvaro Ribeiro referiu que a manta morta alta existente no local, está a dificultar a ação dos operacionais, que têm que recorrer a ferramentas manuais.

“É um trabalho com muita paciência que tem que se fazer até se consolidar aquele rescaldo” referiu Álvaro Ribeiro.

Trata-se também de uma área com acessos difíceis para os veículos e de declive acentuado, pelo que a máquina de rastos que está no local apenas pode operar em alguns troços.

O alerta foi dado às 18:54 de segunda-feira e o fogo evoluiu com grande velocidade, pelo que o ataque inicial foi musculado, tendo sido mobilizado de imediato dezenas de operacionais e, inclusive, oito meios aéreos que operaram até ao pôr-do-sol.

O incêndio foi dado como estando em resolução pelas 01:48 e, durante a manhã de hoje, sofreu uma reativações.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.