Segundo o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), o estudo de arqueologia galáctica, hoje publicado na revista Astronomy & Astrophysics, descobriu uma irmã do Sol (estrela tipo G3) “muito especial”, devido à sua “idade” e “composição química”.

“Estima-se que serão milhares as estrelas irmãs do Sol que se formaram no mesmo enxame juntamente com a nossa estrela, há cerca de 4,6 mil milhões de anos. Com o passar do tempo, as estrelas do enxame espalharam-se pela nossa galáxia, o que dificulta a sua deteção”, esclarece.

Em comunicado, o instituto explica que foi através de uma amostra de 230 mil espetros do Projeto AMBRE do Observatório da Côte d’Azur, e de dados astrométricos “muito precisos”, que os investigadores conseguiram “fazer uma seleção de estrelas com composições químicas semelhantes à do Sol”.

De acordo com o investigador do IA e da Universidade do Porto, Vardan Adibekyan, citado no comunicado, tendo em conta que “não há muita informação acerca do passado do Sol”, este estudo pode “ajudar a perceber onde na galáxia, e em que condições, se formou”.

O instituto salienta ainda que as estrelas irmãs do Sol podem ser “boas candidatas à procura de vida”, isto porque “há a possibilidade de a vida ter sido transportada entre planetas das estrelas do enxame solar”.

Segundo o investigador da Universidade do Porto, “se tivermos sorte, e a nossa estrela irmã do Sol tiver um planeta, e o planeta for rochoso, na zona de habitabilidade, e finalmente, se esse planeta tiver sido ‘contaminado’ pelas sementes da vida da Terra, então temos o que nós sempre sonhamos — uma Terra 2.0, a orbitar um Sol 2.0″.

A equipa do IA responsável pelo estudo, designado “The AMBRE project: searching for the closests solar siblings”, planeia agora, através do espetrógrafo HARPS e ESPRESSO, começar uma campanha à procura de planetas à volta desta estrela.

“Encontrar e caracterizar sistemas planetários em volta de estrelas irmãs do Sol pode revelar informação extremamente importante acerca do resultado de formação planetária num ambiente partilhado”, acrescenta o instituto no comunicado.

Para além de investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, estiveram também envolvidos neste estudo investigadores do Observatório da Côte d’Azur e do Observatório Astronómico Byurakan.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.