O deputado e antigo porta-voz candidata-se com um apelo à união do partido e defende que o resultado das legislativas de 06 de outubro, em que o CDS passou de 18 para cinco deputados, “não é irreversível” e que “é possível" recuperar, segundo a mensagem em vídeo publicada sua página do Facebook, sob o lema "O que nos une".

Num vídeo de pouco mais de um minuto, João Almeida afirma que o resultado do CDS das legislativas de outubro, em que teve 4,4% e viu reduzir de 18 para cinco o número de deputados, “não é irreversível, pelo contrário”.

E recordou que quando se filiou, o partido também tinha cinco deputados, quatro por cento nas eleições e, desde então, da década de 1990, o CDS esteve duas vezes no Governo e passou de uma a seis presidências de câmaras muncipais.

“Conseguimos isso porque valorizamos aquilo que nos une. É isso que temos de ter em mente”, afirma João Almeida.

O CDS “precisa de afirmar a sua voz na oposição a este governo, na saúde, na educação, na autoridade do Estado, na valorização da famÍlia ou de uma politica fiscal que seja respeitadora das famílias e das empresas”, defendeu ainda.

João Almeida é o terceiro a entrar na corrida à sucessão de Assunção Cristas, depois de Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento (TEM), e de Carlos Meira, ex-líder da concelhia de Viana do Castelo.

Há mais dois potenciais candidatos, Filipe Lobo d’Ávila, do “Juntos pelo Futuro”, e Francisco Rodrigues dos Santos, líder da Juventude Popular (JP), que anunciaram a apresentação de moções de estratégia e também admitem concorrer.

(Artigo atualizado às 12:51)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.