"O nosso objetivo é trabalhar para merecer a confiança de todos aqueles que se reveem num país diferente, com mais ambição, com mais arrojo, com mais capacidade de progredirmos, e é para isso que estamos a trabalhar. Eu acredito que há muitas pessoas que se reveem nestas propostas e nestas preocupações do CDS", disse Assunção Cristas aos jornalistas, no Palácio da Justiça, em Lisboa.

Depois da entrega da lista que encabeça pelo círculo eleitoral de Lisboa, a líder do CDS-PP foi questionada sobre a meta eleitoral do partido, tendo afirmado que o "objetivo é trabalhar para manter e para fazer crescer" a representação do CDS-PP na Assembleia da República, que na atual legislatura é de 18 deputados.

"Como sabem a estratégia do CDS foi traçada há muito tempo e não sofreu alterações, nós queremos fazer parte de uma maioria de centro direita para governar o nosso país e ou essa maioria saí das eleições legislativas de 06 de outubro ou então nós continuaremos a fazer parte de uma oposição sempre firme e sempre construtiva a mostrar que há outro caminho para Portugal para além das esquerdas", reiterou.

Questionada sobre se achava provável essa maioria de centro-direita tendo em conta as sondagens, Cristas defendeu que "antes das eleições tudo é possível" e é para isso que os centristas estão a trabalhar.

Sobre as opiniões de especialistas que consideram que em Portugal há uma crise nos partidos da direita, a líder centrista foi perentória: "Eu falo pelo CDS. O CDS não tem nenhuma crise".

"Está a trabalhar intensamente, há muito tempo para termos o melhor programa eleitoral. Vamos aliás apresentá-lo na quinta-feira", concretizou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.