“No sistema internacional há divisões profundas que impediram o Conselho de Segurança da ONU [Organização das Nações Unidas] de pedir um cessar-fogo. E desde o começo desta guerra o nível de interferência externa na Líbia aumentou de diversas formas”, declarou Ghassan Salame, numa intervenção num fórum sobre o Mediterrâneo que decorre em Roma, Itália.

O enviado especial das Nações Unidas teme um “banho de sangue em Tripoli” e um grande movimento migratório caso o conflito não pare.

Salamé instou a comunidade internacional a atuar para promover o fim do conflito, advertindo que, dada a posição estratégica do país, todas as nações terão problemas, não apenas os países vizinhos.

No fórum que decorre em Roma participa ainda o enviado especial das Nações Unidas para a Síria e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

Território imerso num caos político e securitário desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011, e dominado por divisões e lutas de influência entre milícias e tribos, a Líbia tem sido um terreno fértil para as redes de tráfico ilegal de migrantes e de situações de sequestro, tortura e violações.

De acordo com a ONU, o conflito armado entre as forças do Governo de acordo nacional líbio (estabelecido em 2015 na capital líbia e reconhecido pelas Nações Unidas) e o exército nacional líbio liderado pelo marechal Khalifa Haftar, o homem forte da fação que controla o leste da Líbia, fez mais de mil mortos e 120 mil deslocados.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.