A previsão consta do relatório de monitorização das "linhas vermelhas" da pandemia hoje divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), que adianta que o Rt "apresenta valores superiores a 1 ao nível nacional (1,14) e em todas as regiões de saúde, sugerindo uma tendência crescente", sendo que a "tendência crescente é mais acentuada na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), que apresenta um Rt de 1,20".

Os dados de hoje indicam ainda que a Madeira é a única região do país com um Rt inferior ao patamar de 1 (0,98), enquanto o Norte está com 1,04, o Centro 1,07, o Alentejo 1,13, o Algarve 1,19, e os Açores 1,09.

"Mantendo-se esta taxa de crescimento, o tempo para atingir a taxa de incidência acumulada a 14 dias de 120 casos/100 000 habitantes será inferior a 15 dias para o nível nacional e na região do Algarve, tendo já sido ultrapassado esse limiar em LVT, que poderá ultrapassar o limiar da incidência acumulada a 14 dias de 240 casos por 100.000 habitantes em menos de 15 dias", completa a análise de risco.

Estes indicadores – o índice de transmissibilidade do vírus e a taxa de incidência de novos casos – são os dois critérios definidos pelo Governo para avaliar o processo de desconfinamento iniciado a 15 de março.

A variante Delta

A variante Alpha (B.1.1.7 ou associada ao Reino Unido) foi a variante dominante durante mês de maio, mas agora o INSA estima que a variante Delta (B.1.617.2 ou associada à Índia) se possa sobrepor a esta nas próximas semanas. Foram identificados 157 casos da linhagem Delta em Portugal, existindo transmissão comunitária desta variante, mais evidente na região de LVT.

"Dado o aumento na frequência da variante Delta, provavelmente com maior transmissibilidade, o intervalo de tempo esperado entre o aumento do número de infeções e o número de internamentos em UCI, a tendência crescente dos vários indicadores a nível nacional, e a sua aproximação aos limiares linhas vermelhas, impõem ainda maior atenção à evolução dos indicadores de incidência, virológicos e de impacte, assim como ao aumento do nível de preparação dos recursos a nível regional e sub-regional para o controlo e mitigação da epidemia em Portugal, em especial na população não vacinada ou sem esquema vacinal completo", frisa o relatório.

O número diário de doentes de covid-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente revelou uma "tendência crescente", correspondendo a 36 % do valor crítico definido de 245 camas ocupadas.

Testes

No que se refere aos testes, a proporção de positivos aumentou de 1,3% para 2,3% no espaço de uma semana, mas mantém-se abaixo do limiar definido de 4%, adianta o relatório

Na última semana, registou-se ainda um decréscimo do número de testes para deteção do vírus SARS-CoV-2, com um total de 287.212 despistes em todo o país, menos 9.094 do que os 296.306 testes efetuados nos sete dias anteriores, tendo-se verificado um aumento em Lisboa e Vale do Tejo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.