Advogada de 59 anos, acusada de supostas "falhas graves" no cargo, denunciou a "ruptura da ordem constitucional" por parte do governo do presidente Nicolás Maduro.

Agora, após a sua destituição, será julgada.

Loira, de olhos claros e sempre de óculos, Ortega também dirigiu críticas contra o Poder Eleitoral e os militares, considerados pilares do governo Maduro junto ao Supremo Tribunal.

Ortega confrontou Maduro diretamente ao rejeitar a Assembleia Constituinte que propõe modificar a Carta Magna de 1999, promovida pelo então presidente, Hugo Chávez (falecido em 2013), ao considerar que esta viola a democracia.

O deputado chavista Germán Ferrer, com quem é casada há 18 anos, descreve-a como uma "pessoa muito disposta, corajosa e honesta".

"Enfrentaria qualquer coisa para defender os seus valores. Ela é a fiadora da legalidade no país, está a cumprir com seu dever", disse à AFP recentemente.

A reação do Governo à rebelião de Ortega foi tal que o deputado Pedro Carreño pediu ao Supremo a sua destituição por "insanidade mental", o congelamento dos seus bens e a proibição de sair do país.

O divórcio

Segundo Ferrer, a sua esposa começou a desencantar-se com o governo Maduro a partir de 2016, por discordar da prisão de alguns líderes da oposição.

Este distanciamento ficou claro quando o Supremo emitiu, no final de março, uma decisão que retirava as prerrogativas do Parlamento, dominado pela oposição, o que Ortega qualificou de "ruptura da ordem constitucional".

Desde então, o abismo só aumentou: Ortega pediu a anulação da Assembleia Nacional Constituinte, o julgamento de alguns juízes do Supremo e também criticou a "repressão" dos órgãos de segurança aos protestos que deflagraram a 1 de abril para exigir a saída de Maduro.

Considerada uma "traidora" pelos chavistas, Ortega, a quem Maduro agora qualifica de "líder da oposição", sempre militou na esquerda, sendo ligada a Chávez desde a campanha presidencial de 1998, quando trabalhava como advogada no estado de Aragua (norte).

Ortega foi nomeada procuradora para Caracas em 2002, e em 2007, com o aval de Chávez, assumiu a procuradoria-geral para um período de sete anos, sendo reeleita em 2014 pelo Parlamento, então controlado pelo chavismo.

"Sagaz e com faro político"

Ortega é lembrada por denunciar os polícias que a Justiça condenou por participação no golpe de Estado contra Chávez em 2002, e também por promover a condenação, a quase 14 anos de prisão, do líder da oposição Leopoldo López em 2014, acusado de incitar à violência nos protestos contra Maduro que deixaram 43 mortos.

O cientista político Nicmer Evans, chavista crítico de Maduro, considera que o papel de Ortega será essencial para "reinstitucionalizar o país". "Representa o chavismo digno, democrático, diante das pretensões totalitárias do madurismo".

Analistas como Félix Seijas consideram que Ortega pode ser a "ponte" entre o chavismo crítico e a oposição.

Um jornalista que a conhece há dez anos garante que Ortega "é muito sagaz e tem grande faro político".

Ortega não tem filhos, mas denuncia ameaças contra familiares e responsabilizou o governo por qualquer coisa que possa lhe ocorrer.

"Até ao meu último suspiro defenderei a Constituição", prometeu Ortega na segunda-feira, num discurso com tom político para um grupo de funcionários da Procuradoria que saiu às ruas para apoiá-la.

AFP/Alex Vasquez

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.