“O mar é uma condição da própria ilha e um dos elementos mais utilizados na própria promoção da Madeira”, afirmou Eduardo Jesus, secretário Regional da Economia, Turismo e Cultura, à margem da Extreme Sailing Series, 3ª etapa do circuito mundial de catamarãs GC32 que decorre na baía do Funchal.

Há uma “aposta forte na economia do mar, um cluster com vários contributos”. Depois “da aquacultura”, do registo internacional de navios, “o maior a nível europeu”, uma atividade de cruzeiros “que traz 500 mil passageiros ano”, das “reservas marinhas” e do “turismo de investigação nas Selvagens”, para estruturar o cluster “faltava um evento náutico mundial (ESS) para projetar a imagem da Madeira”, reforçou.

Recebendo pelo segundo ano consecutivo um dos mais importantes circuitos de vela a nível internacional, Eduardo Jesus recorda o retorno do evento anterior: “9,4 milhões de euros em comunicação”.

Números “singulares de impacto” que surpreenderam Sérgio Jesus, presidente da Associação Regional de Vela da Madeira, parceiro da secretaria regional na organização do evento.

Para o responsável máximo da vela madeirense, com a prova da ESS, o nome Madeira chega a mercados que de outra forma não conseguia. “Basta ver quem consome este produto e por onde o circuito passa – Médio Oriente, China, Estados Unidos da América. Com este evento chegamos lá e com esforço reduzido da própria promoção. É o próprio evento que gera a promoção”, sustenta.

Para além do Mar, a promoção passa por subir à montanha e mergulhar na história

O evento náutico que decorre na baía do Funchal insere-se na estratégia da Associação de Promoção da Madeira, liderada por Roberto Santa Clara, uma promoção que atua em três domínios: mar, natureza e lifestyle.

Responsável pela estratégia de promoção turística da Região, Roberto Santa Clara recorda que no ano passado a Região Autónoma da Madeira recebeu “mais de 350 jornalista em press trips”. E que para além das campanhas institucionais “há uma aposta clara de conteúdos”, procurando “aumentar a notoriedade deste micro destino e mostrar a Madeira como destino ano inteiro, seguro, perto da Europa e da América”.

Pegando nos eixos de promoção, Eduardo Jesus, secretário Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira sublinha que a promoção é feita em três domínios: montanha, mar e cultura.

“A montanha e o mar perfazem a parte da natureza. E a responsabilidade é preservar aquilo que a natureza nos deu”, frisa.

“Em relação à questão cultural introduzimos na promoção e comunicação porque é a forma de humanizar essa comunicação e trazer a história, hábitos e costumes”, aponta. “Estamos nas vésperas das comemorações dos 600 anos da Descobertas da Madeira e de Porto Santo”, recorda.

Sobre o posicionamento externo passa por “afirmar aquilo que é autenticamente nosso. Não queremos nem importação nem réplicas de outros destinos turísticos. Queremos sim vender o que nos distingue e faz autênticos, únicos”, sublinha.

* O jornalista viajou a convite do Turismo da Madeira

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.