“Quem vai ganhar eu não sei. Mas a comunidade tem uma preferência”, afirmou à Lusa António Graça, que acrescentou logo de seguida: “a comunidade portuguesa tem uma preferência pelo atual Presidente”.

De acordo com a última sondagem do Instituto Datafolha, publicada na sexta-feira, Lula da Silva lidera as intenções de voto para as eleições presidenciais de 02 de outubro, com 45%, mas Bolsonaro voltou, mais uma vez, a crescer nas intenções de voto e agora encontra-se com 34%. Se necessário, o país terá uma segunda volta das presidenciais em 30 de outubro.

Segundo o presidente do Conselho Regional da América Central e do Sul do Conselho das Comunidades, a comunidade portuguesa residente no Brasil tem a sensação que a “economia melhorou” e que as questões judiciais de que Lula da Silva foi alvo continuam bem presentes na memoria da comunidade.

“70% da comunidade está do lado do atual Presidente”, afirmou, querendo “deixar bem claro”, que grande parte da comunidade portuguesa não pode votar e que está apenas a colocar “as coisas como a comunidade está vendo”.

Ainda assim, o responsável considerou que as relações entre os dois países vão continuar a melhor seja qual for o vencedor das presidenciais brasileiras.

“As nossas relações entre os dois países vão continuar cada vez melhores”, disse.

Em relação às comemorações do bicentenário da independência do Brasil, na semana passada, António Graça considerou que “foi boa a presença do Presidente de Portugal com o Presidente do Brasil.

“Eles estiveram reunidos no palácio do Itamaraty”, reforçou.

António Graça recordou ainda a última visita do Presidente português ao Brasil, no início de julho, Jair Bolsonaro fez saber pela comunicação social que não iria receber Marcelo Rebelo de Sousa em Brasília, decisão que justificou com o facto de este se encontrar com o antigo Presidente Lula da Silva em São Paulo.

Na sua opinião e de muita gente da comunidade portuguesa no Brasil o Presidente português errou, contudo, reforçou que “aquele equívoco que houve no passado de receber o ex-presidente na casa do Cônsul”, em São Paulo, está ultrapassado

“Acho que essa situação já foi resolvida”, frisou.

Algumas vozes críticas, entre as quais Lula da Silva salientaram que o Presidente da República portuguesa “merecia mais respeito” do seu homólogo Jair Bolsonaro.

Na quarta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa assistiu ao desfile cívico-militar do 07 de setembro, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, mesmo no centro da tribuna, ao lado do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Esta foi uma cerimónia institucional com ambiente de campanha eleitoral, perante uma multidão vestida de verde e amarelo, durante a qual se ouviram gritos de apoio a Bolsonaro e palavras de ordem contra o ex-Presidente do Brasil Lula da Silva, seu adversário na eleição presidencial de 02 de outubro.

No chefe de Estado discursou no Congresso brasileiro, em Brasília, numa sessão solene comemorativa dos 200 anos da independência do Brasil, na qual o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, cancelou à última hora a sua presença.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.