O estudo indica ainda que 18% diz mesmo não acreditar que os efeitos terapêuticos dos medicamentos genéricos, que apresentam um preço entre 20 a 35% inferior aos de marca, sejam iguais.

Embora reconheçam que o preço é mais baixo, mais de um terço (36%) não sabe que os genéricos permitem poupanças ao Serviço Nacional de Saúde.

Segundo a Deco Proteste, 89% dos inquiridos referiu que sempre que existe um genérico mais barato, este deve ser indicado pelo farmacêutico. Contudo, 44% afirmou ter sido obrigado a comprar medicamentos de marca no último ano por não haver genéricos, “algo que pode ser justificado pela falta de provisão ou pela inexistência dessa mesma solução para o medicamento em questão”, acrescenta.

O genérico só pode ser produzido depois de expirada a patente do laboratório que desenvolveu o fármaco original. Em regra, as patentes duram, no mínimo, 20 anos.

O estudo conclui que a maioria (68%) acredita que o medicamento genérico é tão eficaz como o medicamento de referência, mas só menos de metade dos inquiridos (47%) concordam que os genéricos não causam mais reações adversas do que os medicamentos de marca.

Citando dados do Infarmed, a Deco Proteste lembra que, este ano, quase metade das embalagens vendidas foram de genéricos, que são medicamentos que têm a mesma substância ativa, a mesma forma farmacêutica (comprimido, xarope, etc.) e a mesma indicação terapêutica que o fármaco de marca que lhes serviu de referência.

O trabalho da Deco Proteste resultou de um inquérito feito nos meses de março e abril deste ano a 1.515 portugueses.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.