"Ele [Mário Soares] não desaparece, ele fica na memória, na nossa e na memória do povo português e de todos aqueles que prezam os valores que ele ajudou a implantar no país, a liberdade, a democracia, a justiça social e a tolerância, afirmou Manuel Alegre, em declarações aos jornalistas à saída do Mosteiro dos Jerónimos, onde pelas 13:00 chegou o corpo de Mário Soares.

Sublinhando que nunca se está preparado para o desaparecimento de "alguém que nos é querido", o histórico socialista disse que a morte de Mário Soares representa o fechar de um ciclo, mas também o início de outro, porque "os horizontes da liberdade são horizontes abertos".

Manuel Alegre referiu ainda a necessidade de transmitir a memória de Mário Soares, porque os mais jovens nunca viram o antigo Presidente da República "na plenitude da sua atividade política".

"É preciso contar-lhes o que foi a sua luta pela resistência, as prisões que sofreu, a deportação a que foi sujeito por ordem de Salazar, o exílio, depois o regresso, os combates que travou aqui para defender de novo a liberdade. Toda a vida dele que foi uma vida de combate, de grande combate, grande determinação e sobretudo coragem", disse, acrescentando que o legado de Mário Soares se confunde com a história da luta pela democracia e com a história do PS.

"Fomos amigos, como irmãos até ao fim. Às vezes entre irmãos há sarilhos que depois se resolvem", referiu Manuel Alegre, que assistiu à chegada da urna aos Jerónimos acompanhado pelo presidente do PS, Carlos César, e pelo deputado Miranda Calha.

A deputada Gabriela Canavilhas e a mãe do primeiro-ministro António Costa, Maria Antónia Palla, foram outras as personalidades que já passaram ao início da tarde pelos Jerónimos

Mário Soares morreu no sábado, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, até quarta-feira.

O corpo do antigo Presidente da República está em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos desde as 13:10 de hoje, depois de ter sido saudado por milhares de pessoas à passagem do cortejo fúnebre pelas principais ruas da capital  com escolta a cavalo da GNR .

O  funeral realiza-se na terça-feira,  pelas 15:30, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, após passagem do cortejo fúnebre pelo Palácio de Belém, Assembleia da República, Fundação Mário Soares e sede do PS, no Largo do Rato.

Nascido a 07 de dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares, advogado, combateu a ditadura do Estado Novo e foi fundador e primeiro líder do PS.

Após a revolução do 25 de Abril de 1974, regressou do exílio em França e foi ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro entre 1976 e 1978 e entre 1983 e 1985, tendo pedido a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinado o respetivo tratado, em 1985.

Em 1986, ganhou as eleições presidenciais e foi Presidente da República durante dois mandatos, até 1996.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.