“Fui constituído arguido no âmbito de um processo cuja investigação incide sobre o impacto na paisagem do Hospital CUF Tejo, aprovado pelo plenário da Câmara Municipal de Lisboa, no decurso das minhas funções enquanto vereador do pelouro do Urbanismo e Reabilitação Urbana”, começa por escrever Manuel Salgado numa carta endereçada ao presidente da autarquia, Fernando Medina (PS), à qual a agência Lusa teve hoje acesso.

“Por este motivo, venho pela presente [comunicação] apresentar a vossa excelência a demissão do cargo que atualmente exerço, de presidente do Conselho de Administração de Lisboa Ocidental SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana”, acrescenta.

O arquiteto considera no documento, datado de 12 de janeiro, que “este é o procedimento correto a adotar”, mas rejeita ter praticado “qualquer ato ilícito”.

“Será em sede própria, no momento oportuno e pelos meios que se encontram ao meu alcance, que me irei defender, repor a verdade dos factos e reagir contra atentados à minha honra e bom nome”, afirma.

Quando se demitiu, o vereador chegou a reconhecer numa entrevista que a volumetria do Hospital CUF Tejo, em Alcântara, era excessiva e que à data (2019) não o teria aprovado.

Manuel Salgado anunciou a demissão do pelouro do Urbanismo na Câmara de Lisboa, do qual era responsável desde 2007, em julho de 2019, tendo a sua saída sido efetivada em 07 de outubro do mesmo ano.

Dias depois de ter abandonado o cargo, a Câmara de Lisboa aprovou, com nove votos a favor e oito contra, a reeleição do arquiteto e ex-vereador do Urbanismo como presidente do conselho de administração da SRU.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.