Estas posições foram assumidas numa cerimónia de apresentação de cumprimentos de boas festas por parte do Governo ao Presidente da República, no Palácio de Belém, em Lisboa, a que a comunicação social afinal pôde aceder, mediante apresentação do certificado de vacinação, depois de ter sido inicialmente informada de que não poderia estar presente.

O primeiro-ministro, que foi o primeiro a discursar nesta cerimónia na Sala dos Embaixadores, afirmou ter "uma visão comum" com o Presidente da República sobre "o papel institucional dos diferentes órgãos de soberania" e o "sentido de solidariedade" entre eles.

Segundo António Costa, "nestes quase dois anos tão difíceis de pandemia esse sentido de unidade nacional de colaboração comum foi posto à prova". O primeiro-ministro realçou os sucessivos estados de emergência que o chefe de Estado "foi forçado a decretar" como nunca tinha acontecido em democracia.

"A verdade é que vivemos esse período sempre com uma enorme tranquilidade e normalidade institucional, com liberdades cívicas respeitadas, liberdades políticas respeitadas, e com uma compreensão extraordinária por parte dos nossos cidadãos", sustentou o primeiro-ministro, acrescentando: "Como o senhor Presidente da República costuma dizer, os portugueses são excecionais, e mais uma vez provaram serem excecionais".

O chefe do Governo defendeu que é preciso que todos se mantenham "focados no combate à pandemia", que se espera "menos severa, mas não menos ameaçadora", e com "a ambição de, mais do que a reconstrução, a recuperação" do país.

O Presidente da República, que interveio a seguir, concordou que "é evidente", como disse o primeiro-ministro "que houve um esforço de unidade nacional".

No seu entender, "o esforço começou, desde logo, na relação entre o Presidente da República e o Governo, e o primeiro-ministro e o Governo, continuou na relação com a Assembleia da República, sobretudo em estado de emergência", que foi decretado com "uma amplitude política notável".

"Isto não se verificou, que eu saiba, em muitos países, como não se verificou a realização de reuniões como eram as reuniões do Infarmed", observou, perante o primeiro-ministro e os ministros de Estado do XXII Governo Constitucional.

O Presidente da República mencionou que lhe coube "ser muitas vezes o porta-voz" dessas reuniões entre responsáveis políticos e especialistas em diferentes áreas da saúde, o que, "em teoria, chocaria" eventualmente alguns constitucionalistas, "por não estar expressamente previsto na Constituição".

"Ninguém tinha previsto expressamente uma pandemia que durasse o que durou, com as características desta", salientou.

Marcelo Rebelo de Sousa subscreveu igualmente o elogio ao comportamento dos portugueses face à pandemia de covid-19, considerando que, "ao aceitarem e compreenderem militantemente a importância da vacinação, ao tomarem as precauções e durante um bom período de tempo em estado de emergência, praticamente até metade deste ano, mas mesmo fora do estado de emergência, percebendo que há precauções a tomar, facilitaram a vida".

"Mesmo quando a pandemia nos surgia com novas variantes ou novas vagas. E esta é a garantia que temos: os portugueses assumem como seu este desafio", reforçou.

O chefe de Estado relatou que na quarta-feira à noite, junto ao Palácio de Belém, encontrou uma família que "acenava de uma forma original", com "cenas de grande alegria", porque tinha ido fazer testes ao vírus da covid-19 que tiveram resultado negativo.

"Achei sintomático, porque era uma família comum, de cidadãos comuns, que começava o festejo do Natal no festejo do teste. Isto mostra como os portugueses, de facto, perceberam a mensagem. E é fundamental que continuem a perceber e a partilhar a mensagem, porque é isso que permitirá que possamos superar mais rapidamente o que estamos a viver este ano no decurso do começo do ano que vem", acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa expressou o desejo de que este "seja um Natal de reencontro, mas com precaução".

"O senhor primeiro-ministro fixou na sua família em seis [pessoas no Natal]. Eu fixo em cinco", adiantou.

O Presidente da República recordou que há um ano o primeiro-ministro não esteve presente nesta cerimónia de apresentação de boas festas, por se encontrar em isolamento, e apareceu através de um holograma: "Vossa excelência estava enorme, dominador, num ecrã".

Também o primeiro-ministro lembrou essa situação. "Hoje já estou cá presencialmente", assinalou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.