"Um caso de empenhamento da associação de moradores com o apoio da junta de freguesia e da Câmara Municipal [de Setúbal], que tinha dado a volta ao bairro, que reúne culturas diferentes, visões diferentes da vida, experiências diferentes... E hoje é um dia muito especial, faz 69 anos desde que foi aprovada a Declaração Universal dos Direitos do Homem", resumiu Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República, que chegou uma hora atrasado face ao previsto em virtude de ter ido assistir a uma missa no Pinhal Novo, entre o regresso do Algarve e o compromisso de Setúbal, foi recebido em euforia por dezenas de habitantes do inóspito e ventoso morro, com uma panorâmica privilegiada para a baía de Setúbal e a península de Troia, que dá nome aos conjuntos de blocos, agora redecorados com graffiti nos topos, devidamente autorizados e assinados pelos artistas.

"Isto aqui há de tudo. Retornados, ciganos, brancos, pretos...", descreveu à Lusa o pintor da construção civil Leonel Caetano, 51 anos, enquanto esperava a chegada do "senhor das selfies" (fotografias com telemóvel) no único estabelecimento aberto naqueles arruamentos - o 'snack bar' "Pôr-do-Sol", ocupado esmagadoramente por homens.

Mulheres e crianças juntaram-se ao pé das obras de requalificação - uma escultura, um parque infantil e um pequeno espaço com máquinas de exercício físico ao ar livre, obras da associação de moradores "Renascer o Forte", apoiada por empresas, junta de freguesia e Câmara Municipal sadina.

"Isso não é de comer! Saiam de cima do homem!", gritou-se perante os pedidos de cumprimentos a Marcelo Rebelo de Sousa. Outra "boca" que gerou gargalhadas entre os presentes foi lançada por um dos interlocutores ocasionais do Presidente da República, que tinha reparado haver muitas crianças ao que o bem-humorado habitante respondeu: "pois, as fábricas são novas..."

Rebelo de Sousa visitou um dos apartamentos, que partilham pátios comuns e no total albergam cerca de 700 pessoas (neste quarteirão específico), e foi surpreendido pelo orgulho de um pai em mostrar as medalhas de um atleta paralímpico português, Bruno Balão, que vive ali no Forte da Boa Vista - os edifícios "azuis", além dos quarteirões "dos amarelos", "rosas" e "verdes".

"Um dos princípios fundamentais é ter-se como objetivo ter o máximo de igualdade possível das pessoas. Isso faz-se todos os dias em bairros como este em que as pessoas vêm de países diferentes, com línguas e religiões diferentes. O criar condições para que essa convivência seja um fator de mais igualdade e justiça é essencial", continuou o Presidente da República.

À espera do Chefe de Estado, na Escola EB1 e jardim de infância de Setúbal esteve depois um grupo de percussão de jovens, especializado no "afro-axê", a abrir caminho à caldeirada de choco partilhada com moradores e dirigentes locais, nomeadamente a histórica presidente da câmara setubalense, Maria das Dores Meira (CDU).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.