Aumentar o mandato presidencial, de cinco para sete anos, privilegiar o acesso de franceses ao emprego público, combater a imigração com “dureza total” são vetores do discurso de Le Pen, em Nantes, marcado igualmente por críticas à comunicação social.

A Frente Nacional (FN) reuniu perto de 4.000 pessoas numa sala de espectáculos fora da cidade, apesar das tentativas, dos manifestantes, de bloquearem os acessos, o que obrigou a polícia a utilizar dezenas de agentes das brigadas anti-distúrbios.

Os manifestantes queimaram pneus em estradas e auto-estradas de acesso ao local, e atacaram alguns dos autocarros que transportavam simpatizantes da candidata presidencial.

Alguns chegaram mesmo a ser detidos nas bermas, enquanto os autocarros foram pintados de branco, o que obrigou à atuação dos agentes anti-distúrbios.

No sábado, véspera do encontro, uma manifestação com mais de 2.000 pessoas acorreu ao centro da cidade, tendo-se verificado confrontos entre manifestantes e forças da ordem, dos quais resultaram uma dezena de feridos e algumas detenções.

Os distúrbios começaram quando um grupo de militantes da extrema-esquerda começou a lançar ‘cocktails molotov’ contra os agentes e a destruir mobiliário urbano, tendo a polícia respondido com o lançamento de gás lacrimogéneo.

Nantes acolhe há semanas grupos de extrema-esquerda que se opõem à construção de um aeroporto na periferia.

O noroeste da França é uma das zonas onde a FN tem piores resultados eleitorais, pelo que foi escolhida por Marine Le Pen para aí iniciar uma ronda de reuniões, a menos de dois meses das eleições presidenciais.

A líder direitista acusou o governo do presidente francês François Hollande de cumplicidade com os manifestantes, considerando tratar-se de uma “debilidade” do Estado.

Para Marine Le Pen, todos os presidentes de França, tanto de esquerda como de direita, reduziram a função à “insignificância” e entregaram o Estado aos “interesses do capital”.

“As forças financeiras avançam no nosso país e a UE não é mais que o seu cavalo de batalha”, disse a candidata, citando como exemplo a recente aprovação do tratado livre de comércio entre a UE e o Canadá.

Le Pen prometeu ainda alterar o tempo de mandato presidencial para sete anos, contra os cinco atuais, a fim de dar ao chefe de Estado “a autoridade e liberdade que não tem quando estão a pensar na reeleição”.

Disse ainda que, no mundo atual, é ela a mais bem colocada para representar França. “Como vão os outros falar com Donald Trump se não param de o criticar?”, acrescentou.

Le Pen criticou ainda os meios de comunicação, acusando-os de ocultarem a verdade e favorecerem os outros candidatos, o que fez com que “perdessem o apoio dos franceses que preferem informar-se através da internet”.

A candidata prometeu ainda uma “dureza total” contra a imigração e reiterou o seu projeto de guardar os postos públicos para os franceses, ao mesmo tempo que prometeu reforçar as fonteiras e acelerar as expulsões.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.