Em nota oficial, a Marinha anunciou que no primeiro semestre deste ano foram realizadas “166 ações de busca e salvamento das quais resultaram 86 vidas salvas, o que representa neste primeiro semestre de 2020 uma taxa de sucesso do serviço de 100%”.

A nota sublinha ainda a existência de 67 alertas falsos, justificados “na maioria das vezes”, com a incorreta utilização dos equipamentos de segurança a bordo “nomeadamente, as radiobalizas e o digital Selective call (DSC) dos navios ou embarcações, que emitem os alertas”.

Todas as ações foram realizadas através dos Centros de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa e de Ponta Delgada e ainda do Subcentro de Coordenação de Busca e Salvamento do Funchal, em colaboração com várias entidades, entre elas, a Força Aérea Portuguesa, a Autoridade Marítima Nacional e o INEM - Centro de Orientação de Doentes Urgentes no Mar (CODU-Mar).

“Os Centros Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo nacionais são operados por militares da Marinha num regime de trabalho de 24 horas por dia e 7 dias por semana, garantindo a coordenação de todas as ações "search and rescue" [busca e salvamento] nas Regiões de Busca e Salvamento Nacionais”, adita o comunicado.

Sob a responsabilidade nacional de busca e salvamento marítimo da Marinha está uma área com cerca de 6.000.000 Km2, “o que equivale a 63 vezes a área terrestre nacional”, frisa a Marinha.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.