“Na sequência do restabelecimento das condições de circulação na linha do Norte, verificado pelas 12:35, condicionada à utilização de uma única via, com limitação de velocidade de 30 km/h no troço afetado pelas inundações e recurso a cantonamento telefónico entre Ameal - Sul e Soure, a CP – Comboios de Portugal vai retomar a circulação de comboios de Longo Curso entre Porto e Lisboa", afirma a CP em comunicado.

A CP afirma que "realizará todas as ligações possíveis" no contexto das limitações existentes, sendo que os primeiros comboios, com partidas previstas pelas 14:00, são os comboios Intercidades Coimbra-B – Lisboa Santa Apolónia; Alfa Pendular Lisboa Santa Apolónia – Braga; Intercidades Braga - Lisboa Santa Apolónia.

O comunicado da CP surge depois de a Infraestruturas de Portugal ter avançado que, com a descida do nível de água, havia condições para restabelecer a circulação dos comboios na Linha do Norte, ainda que com limitações, aguardando-se informações da CP sobre o retomar da operação.

Segundo a gestora da rede ferroviária, “devido ao abaixamento do nível da água foi possível restabelecer a circulação de comboios entre Ameal Sul e Alfarelos”, na Linha do Norte, que faz a ligação entre Porto e Lisboa.

Contudo, a circulação terá de acontecer com limitações, processando-se em ambos os sentidos através de uma via e com limitação de velocidade de 30 quilómetros por hora entre os quilómetros 200 e 198.

A circulação dos comboios de longo curso (serviços Intercidades e Alfa Pendular) da Linha do Norte, que liga Lisboa ao Porto, esteve suspensa devido à subida do nível das águas da Bacia do Mondego que submergiu o troço entre Alfarelos e Ameal Sul.

Na linha do Douro, a circulação esteve suspensa entre Marco de Canaveses e Régua, “devido à queda de uma barreira e uma pedra de grandes dimensões” ao quilómetro 89,1, entre Ermida e Rede, mas já foi restabelecida pelas 10h30 após "a remoção da pedra e limpeza dos detritos".

Na Linha do Vouga, a circulação entre Sernada do Vouga e Macinhata foi restabelecida às 00:00, acrescenta a IP, em comunicado.

A circulação ferroviária foi afetada pelas condições climatéricas adversas que se têm feito sentir nos últimos dias, principalmente na região norte e centro do país.

Os fortes efeitos do mau tempo, que se fazem sentir desde quarta-feira, já provocaram dois mortos, um desaparecido, deixaram 144 pessoas desalojadas e 320 pessoas deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.200 ocorrências no continente português, na maioria inundações e quedas de árvore.

Só hoje, registaram-se mais de 1.700 ocorrências.

O mau tempo provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou hoje o impacto da depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

No balanço realizado às 20:00 de sábado, a Proteção Civil indicou que a situação mais complicada continuava a ser a registada no distrito de Coimbra, sublinhando que os rios Mondego e Tejo (na zona de Constância) se encontram em alerta vermelho.

O IPMA já havia alertado para os efeitos da depressão Fabien, em especial no Norte e no Centro, estando previstos intensos períodos de chuva e vento forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir 90 km/hora no litoral norte e centro e 140 km/hora nas terras altas.

Prevê-se que estes efeitos vão diminuindo e que se registe uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de hoje.

Os distritos do Porto, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga vão estar entre as 21:00 de hoje e as 12:00 de domingo em aviso vermelho, devido à agitação marítima.

[Notícia atualizada às 14:36]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.