A maré negra, considerada o pior desastre ambiental nesta ilha do Índico, foi provocada a 25 de julho pelo navio japonês MV Wakashio, que embateu num recife de coral cerca de uma milha ao largo das Maurícias e derramou mais de 1.000 toneladas de combustível.

Nos últimos dias, pelos 39 golfinhos e três baleias deram à costa, mortos.

Os manifestantes, 50 mil, segundo os organizadores, 75 mil, segundo a imprensa local, marcharam pacificamente pela capital com bandeiras das Maurícias, cartazes com inscrições como “Tenham vergonha” e “inação” e balões em forma de golfinho.

Muitos manifestantes estavam vestidos de negro, simbolizando a maré negra.

“Esta manifestação serve para enviar uma mensagem a [o primeiro-ministro] Pravind Jugnauth de que falhou na gestão do naufrágio do Wakashio”, afirmou à France-Presse Jocelyne Leung, 35 anos, administrativa.

Por várias vezes, os manifestantes gritaram palavras de ordem exigindo a demissão do primeiro-ministro, acusado de ter demorado demasiado tempo a ordenar os trabalhos de remoção do petróleo.

Segundo a agência, a última vez que uma manifestação juntou tantas pessoas em Port Louis foi em 1982, após a vitória da oposição nas eleições legislativas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.