Num comunicado enviado às redações, o Ministério da Administração Interna anunciou o pagamento de uma primeira tranche de retroativos referentes a suplementos não pagos em período de férias aos militares da GNR e agentes da PSP.

Englobando o período entre 2010 e 2018, o Governo ao todo deve 114 milhões de euros, que "vão ser pagos até ao final da legislatura, em duas tranches anuais", indica a nota. Nesta primeira tranche, foram pagos 14,2 milhões de euros.

Os suplementos, lembra o comunicado, "voltaram a ser pagos em 2019", tendo o Governo decidido "efetuar o pagamento dos retroativos a todos os elementos das forças de segurança". "Embora uma decisão do Supremo Tribunal Administrativo apenas tenha determinado que o Estado efetuasse o pagamento a quatro agentes da PSP, o Ministério da Administração Interna tomou a decisão política de alargar esse pagamento aos suplementos suspensos a todos os elementos da GNR e da PSP", lê-se na nota.

No que toca ao tempo presente, o MAI informa ainda que "a liquidação dos 28,5 milhões de euros relativos a 2020 é feita nos meses de agosto e dezembro", mas os meses de pagamento vão mudar em 2021, passando a ocorrer em "abril e setembro, cada um no valor de 14,2 milhões de euros".

"Aos elementos das forças de segurança que já não se encontram ao serviço é efetuado, também, o pagamento devido dos suplementos não pagos entre 2010 e 2018", refere também a nota.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.