A demissão foi formalizada poucas horas antes da moção de censura contra a ministra de direita e que ameaçava o futuro do governo conservador, minoritário no Parlamento de Oslo.

Aparentemente a demissão da ministra põe fim a uma crise política que envolve o governo formado pela coligação que une os conservadores da direita xenófoba, a Sylvi Lishaug e aos liberais.

O Partido Democrata Cristão, aliado parlamentar do governo, decidiu apoiar a moção contra ministra o que poderia por em causa a continuação do Executivo.

A polémica surgiu na semana passada quando Listhaug acusou os trabalhistas de darem mais importância aos “direitos dos terroristas” do que à segurança da nação.

A ministra referia-se à posição dos trabalhistas que se opõem à proposta do governo que pretendia retirar os passaportes e a nacionalidade aos islamitas noruegueses de forma sumária e sem intervenção judicial.

A acusação da ministra provocou uma forte reação política da oposição que recordou a Listhauq que o Partido Trabalhista foi vítima do ataque de 2011, levado a cabo por Anders Behring Breivik e que fez 77 mortos.

Na sexta-feira, a ministra acabou por pedir desculpas tendo pedido hoje a demissão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.