“Alain Griset apresentou a sua demissão como membro do Governo” ao Presidente Emmanuel Macron e ao primeiro-ministro Jean Castex, refere um comunicado emitido pelo Ministério da Economia estrutura de que dependia.

O tribunal acusou o ministro de não ter declarado, entre outras coisas, um plano de poupança em ações no valor de 171 mil euros, e “participações diretas” em várias empresas, como a Française des Jeux ou a Natixis.

No Governo francês desde julho de 2020, Griset foi o primeiro ministro a comparecer perante um tribunal criminal, que o condenou a seis meses de prisão suspensa e a uma pena de três anos sem poder ser eleito para cargos públicos.

A moralização da vida política em França tinha sido um dos grandes projetos de Emmanuel Macron, eleito Presidente em 2017, após uma campanha marcada por escândalos judiciais. No mesmo ano, o parlamento aprovou uma lei sobre o assunto.

Ao pronunciar o seu acórdão, o tribunal considerou que Griset tinha “optado por ocultar uma parte substancial dos seus bens” e apontou dois elementos agravantes: os fundos em questão estavam depositados num banco francês e ele “mostrou uma verdadeira vontade de ocultar”.

Perante os seus juízes, Griset, 68 anos, defendeu-se alegando “um desleixo” e rejeitando qualquer “desonestidade”.

“Em nenhum momento quis enganar, roubar ou esconder nada. Quando se tem a oportunidade de ser ministro, não se desperdiça essa oportunidade tentando esconder algo que era tão visível”, disse.

O advogado do ministro, Patrick Maisonneuve, anunciou que vai recorrer da condenação.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.