A moção de Rodrigues dos Santos, líder da Juventude Popular, obteve 671 votos (46,4%).

A segunda mais votada foi a de João Almeida, com 562 votos (38,9%), e a terceira, a de Filipe Lobo d'Ávila, com 209 (14,45%), anunciou depois o secretário-geral do partido, Pedro Morais Soares.

Quem é o novo rosto do CDS

Conhecido por Chicão, o advogado de 31 anos é admirador confesso de Churchill.

Nasceu em Coimbra em 29 de setembro de 1988 e estudou no Colégio Militar, em Lisboa, antes de se formar em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Filiou-se na Juventude Popular em 2007 e no partido em 2011, era Paulo Portas presidente dos centristas. Foi eleito presidente da JP Em 2015.

Foi eleito autarca na assembleia de freguesia de Carnide, Lisboa, de 2013 a 2017.

Em janeiro de 2018 a revista Forbes colocou-o na lista dos 30 jovens mais influentes da Europa" ("30 under 30 - Law&Policy 2018”).

Desde então foi candidato a deputado pelo Porto — ficou à porta de São Bento – e lançou-se numa candidatura à liderança do partido, sendo o último a entrar na corrida

Na história do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos não é o mais jovem a chegar à liderança. Esse recorde é 29 anos e foi protagonizado pelo ex-presidente Manuel Monteiro.

Como não foi eleito, e não estará na Assembleia da República, quer ser um "deputado sombra".

A quarta moção que foi a votos, de José Ângelo da Costa Pinto, teve três votos (0,02%).

Registaram-se três votos brancos e nulos. No total, votaram 1.449 delegados.

Com este resultado, e depois de João Almeida e Filipe Lobo d´Ávila terem reconhecido a vitória do líder da JP, Francisco Rodrigues dos Santos pode considerar-se futuro líder do CDS-PP. A eleição é formalizada hoje de manhã, quando forem a votos as listas da futura direção nacional.

Como não foi eleito, e não estará na Assembleia da República, o próximo líder quer ser um "deputado sombra"."Vou iniciar um processo de diálogo estruturado"

“Eu agora vou iniciar um processo de diálogo estruturado com ambas as listas [opositoras], precisamente para conseguirmos conjugar esforços e ter órgãos nacionais do partido que sejam representativos das várias sensibilidades que se apresentaram a congresso, é precisamente isso agora que farei, sendo certo que amanhã procurarei apresentar listas que espelhem este pluralismo interno que o congresso refletiu”, afirmou aquele que deverá ser o próximo presidente do CDS.

Falando aos jornalistas pouco depois de ter sido anunciado que a moção que apresentou ao congresso foi a mais votada, tendo contado com 46,4% dos votos, Rodrigues dos Santos apontou que, a partir de agora, conta com João Almeida e Lobo d’Ávila, bem como “com todos os militantes do CDS que decidiram integrar essas duas moções de estratégia global”.

Francisco Rodrigues dos Santos: "Quero um CDS que toque a rebate"
Francisco Rodrigues dos Santos: "Quero um CDS que toque a rebate"
Ver artigo

Assim, admite falar com eles e entender o convite para se juntarem a ele "nas próximas equipas" para liderar o CDS.

“Vamos começar a formar as nossas equipas que comporão a liderança do CDS para os próximos dois anos e aí, naturalmente, que eu irei também ao encontro de militantes do partido que se encontraram afetos a outras candidaturas mas que eu reconheço talento, competência, energia e qualidade para abraçar, o futuro do CDS”, assinalou.

Francisco Rodrigues dos Santos salientou que o seu “propósito” passa por “permitir que haja uma reunião em torno deste caderno de encargos, da estratégia que foi aprovada em congresso e, depois, saibamos escolher que perfil é que se indica para cada uma das posições que compõem os órgãos nacionais do partido”.

Como não foi eleito, e não estará na Assembleia da República, o próximo líder quer ser um "deputado sombra".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.