Alípio de Freitas ia ser homenageado no dia 17 de junho, num espetáculo com a participação de diversos artistas, entre os quais a filha Luanda Cozetti, a que se associou o Sindicato dos Jornalistas.

O sindicato pretendia, assim, manifestar admiração “pelo percurso de lutador do seu associado”, conforme pode ler-se no ‘site’ da estrutura sindical.

Alípio de Freitas, que nasceu em Bragança, foi jornalista da RTP, professor universitário, padre em Portugal e revolucionário no Brasil.

No Brasil, criou estruturas de apoio à população mais carenciada, deu aulas na universidade, participou em ocupação de terras, foi preso e torturado.

Esteve exilado no México, viveu em Cuba e regressou ao Brasil, onde foi dirigente do Partido Revolucionário dos Trabalhadores. Depois de uma detenção de quase 10 anos naquele país (1970-1979) escreveu o livro “Resistir é Preciso”.

Viajou para Moçambique, onde também apoiou os camponeses, e entrou na RTP nos anos 80, tendo permanecido na empresa até 1994.

Alípio de Freitas foi cofundador da Casa do Brasil em Lisboa e da Associação José Afonso.

O corpo de Alípio de Freitas estará em câmara ardente a partir das 17:00 na Basílica da Estrela, em Lisboa.

O funeral irá realizar-se na quarta-feira, às 12:00, no Alvito, no Alentejo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.