"A mão continua estendida", disse Pierre Moscovici numa conferência de imprensa em Paris, incluindo o orçamento italiano entre as "incertezas" que pairam sobre o crescimento europeu, ao lado das tensões comerciais e do Brexit.

"A Comissão está aberta ao diálogo porque é num quadro comum que temos de encontrar uma solução. E este quadro comum é a zona euro", cujas "regras não são rígidas nem estúpidas, são flexíveis", afirmou.

"As mudanças (no orçamento) são possíveis e são necessárias", insistiu Moscovici, numa alusão implícita a declarações no dia anterior, em que o vice-primeiro-ministro italiano, Luigi Di Maio, se mostrou aberto a um deficit menor no seu projeto de orçamento.

A Comissão Europeia rejeitou a 23 de outubro o projeto de orçamento italiano para 2019, que oficialmente prevê um deficit de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Bruxelas considera irrealistas as previsões italianas, estimando que o deficit chegará a 2,9%, longe dos compromissos do anterior governo de centro-esquerda (0,8%).

A atual coligação manteve, desde então, uma linha inflexível, parecendo pronta para assumir o risco de um "procedimento de deficit excessivo" e, portanto, de sanções financeiras.

No entanto, o tom mudou após um jantar de trabalho no sábado à noite, em Bruxelas, entre o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e membros do governo italiano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.